Home » Noticias » Ricardo Franco indignado com governo regional

Ricardo Franco indignado com governo regional

Quinta-Feira, 09 de Outubro de 2014
Ricardo Franco indignado com governo regional
O presidente da Câmara de Machico (PS) acusou hoje o Governo Regional da Madeira (PSD) de ter uma “intolerável indiferença” relativamente aos prejuízos dos temporais que assolaram o concelho no inverno passado. “Não é tolerável que o Governo Regional mantenha uma postura de indiferença perante as consequências de inesperadas vicissitudes climatéricas, cujo esforço necessário de recuperação está além de capacidades do município”, afirmou Ricardo Franco na sessão solene do dia do concelho.

O autarca disse também ser “intolerável” que o executivo madeirense não revele “abertura política para financiar a reconstrução do Porto da Cruz [a freguesia mais afetada pelo temporal], mas haja toda a disponibilidade para assumir os encargos com os clubes de futebol, apesar do respeito que merecem, em dezenas de milhões de euros”.

Para Ricardo Franco, os prejuízos foram “avaliados em vários milhões de euros, sendo a câmara incapaz de corresponder por si só” à resolução do problema e considerou que “as prioridades estão completamente subvertidas, baseadas num modelo esgotado, desconforme com tempos atuais e as reais necessidades das populações”.

O presidente da câmara destacou que hoje Machico viveu um “momento inédito”, porque, em contraste com a prática adotada pela anterior vereação do PSD, nesta sessão solene foi dado o uso da palavra às diferentes forças políticas com assento na assembleia municipal.

“Hoje deu-se uma machadada na arrogância, na prepotência e no quero mando e posso. Hoje, sem hipocrisia, fez-se história em Machico”, vincou o autarca.

Ricardo Franco salientou também as dificuldades financeiras do município que “vive comprimido entre a dívida e o défice”.

O autarca afirmou que a dívida do município ascende a 27 milhões de euros, acrescida de mais um milhão de juros, um pedido de devolução de 81 mil euros pelo incumprimento de um contrato e cerca de 500 mil euros reclamados por empresários prestadores de serviços que “foram contratados de boca”.

Prestando contas da gestão à população, Ricardo Franco mencionou que o orçamento municipal de 2014 “ficou pelos 10,8 ME, menos um milhão que em 2013, sendo 4,2 milhões para pagar dívida a credores e fornecedores, cerca de quatro milhões para encargos com pessoal e os restantes 2,6 para cobrir todas as despesas correntes, sobrando apenas 147 mil euros para investimento na área social” e para o programa da vereação.

“Estamos a viver em défice”, realçou Ricardo Franco numa cerimónia que teve lutar no Solar do Ribeirinho, junto da população e teve como representante do Governo Regional o diretor da Administração Pública.


Foto de Miguel Manso

Add a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *